domingo, 14 de janeiro de 2018

A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho










         



                         Quanto à posição é subjectivo




Paula Cruz







sábado, 13 de janeiro de 2018

Taberna Vira Copos




Foi na Amoreira - Óbidos - que viemos parar.

Foi uma agradável surpresa: decoração, serviço, simpatia, ambiente acolhedor, conforto (estava muito frio, mas dentro deste belo espaço estava-se muito bem!) 



Escolhemos o mezanino, é pouco iluminado! Para degustar a refeição, não é precisa muita luz, mas para as fotografias tinha dado jeito mais um pouco de claridade. Por outro lado, aquele espaço  conferiu ao nosso encontro um carácter mais intimista que muito nos agradou.


A decoração é sóbria.





As entradas são soberbas! As fotos ficaram um pouco escuras, logo o colorido dos pratos ficou algo esbatido, com um ar vintage! O sabor proveniente da mistura de ingredientes díspares é muito agradável.



 Há sempre alguém que está a fazer dieta!!!


 A conversa esteve animada!


Também se falou de coisas sérias! E bebeu-se um vinho aromático "muito bom!"





Esta tábua, simplesmente, fantástica! O doce de abóbora com nozes, os queijos, o presunto finamente cortado, os pedacinhos de pão com uma mistura de ingredientes escolhidos a dedo... Tudo maravilhoso! 


A bruschetta de camarão 


O crepe de sapateira


As sobremesas









Resumindo: entradas e comida maravilhosa, sobremesas originais e deliciosas, bom vinho... Atendimento muito simpático... Ambiente descontraído e familiar! Preço razoável!

Recomendamos vivamente e vamos voltar!

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

O Cavaleiro da Dinamarca - Resumo





O cavaleiro da Dinamarca conta-nos a história de um nobre homem que vivia com a sua família numa floresta da Dinamarca. Certo Natal, durante a ceia, quando toda a família e amigos estavam reunidos, informou-os do seu propósito: partir em peregrinação à Terra Santa, para rezar, no Natal seguinte, na gruta onde Jesus nascera. Prometeu, no entanto, que dali a dois anos estariam juntos de novo a comemorar o nascimento de Jesus. 
O cavaleiro partiu na Primavera, tendo chegado à Palestina muito antes do Natal. Seguiu viagem com outros peregrinos para Jerusalém. Visitou os locais sagrados relacionados com a vida de Jesus.
Na noite de Natal, o cavaleiro foi para a gruta onde nasceu Jesus e aí rezou toda a noite. Depois do Natal, o Cavaleiro ainda ficou mais dois meses na Palestina, tendo visitado outros lugares santos. 
Em finais de Fevereiro, o Cavaleiro, na companhia de outros peregrinos, entre os quais se encontrava um mercador de Veneza, iniciou a viagem de regresso. Esta foi marcada por alguns imprevistos, relacionados com o mau tempo. Numa das paragens forçadas, os peregrinos tiveram que desembarcar em Itália. Lá, o mercador de Veneza, convidou o cavaleiro a visitar a sua cidade. No palácio do mercador, em Veneza, o cavaleiro fica a conhecer as histórias de Vanina e Guidobaldo.
Passado cerca de um mês, e apesar do convite do mercador ao cavaleiro para que este se lhe juntasse nos seus negócios, o cavaleiro seguiu viagem chegando a Florença no início de Maio. Lá, o cavaleiro procurou o banqueiro Averardo que lhe tinha sido recomendado pelo mercador. O banqueiro recebeu o visitante da melhor forma. Foi aqui que lhe foi contada a história de Giotto e Cimabué, e de como Dante escreveu a “A Divina Comédia”. Depois de ter estado um mês na casa do banqueiro, o cavaleiro decidiu partir de novo, desta vez em direcção a Génova. Perto de Génova, o cavaleiro adoeceu e foi obrigado a pedir ajuda num convento, onde permaneceu quase dois meses e meio. Quando chegou a Génova, em fins de setembro, já todos os navios em direcção à Flandres tinham partido, pelo que o Cavaleiro decidiu ir a cavalo para Bruges. O Cavaleiro estava consciente de que seria uma longa e dura viagem, através de toda a França em pleno Inverno, mas tinha de cumprir a promessa que fizera à sua família.
Depois de ter atravessado França, o Cavaleiro chegou a Flandres, onde ficou hospedado em casa de um negociante flamengo, recomendado pelo banqueiro Averardo. Aqui foi-lhe contada a história de Pêro Dias e dos navegadores portugueses.
Alguns dias depois, o Cavaleiro partiu finalmente para a sua terra natal, a Dinamarca.
No dia 23 de Dezembro, o Cavaleiro chegou a uma pequena povoação, bem perto da floresta onde morava. Na noite seguinte entrou na floresta e atravessou-a. Via os olhos assustadores dos animais ferozes e ouvia os ruídos por eles imitidos. O Cavaleiro pediu aos animais uma trégua naquele dia santo, e eles afastaram-se. Perante o perigo, o Cavaleiro fechou os olhos e rezou a Deus. A alegria de estar perto de casa deu-lhe coragem e ajudou-o a esquecer o cansaço e o frio. O Cavaleiro viu uma luz brilhante e chegou a pensar que fosse uma fogueira. Mas quando chegou a casa viu que era o seu grande abeto junto da sua casa que os Anjos tinham enfeitado com estrelas. Foi assim que nasceu a tradição de se enfeitar o pinheiro de Natal. Esta tradição espalhou-se por todo o mundo.





quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O Cavaleiro da Dinamarca


Imagem de Tiago Alburquerque

O Cavaleiro da Dinamarca

O Cavaleiro da Dinamarca é um livro de Sophia de Mello Breyner Andresen, editado em Portugal em 1964.

A obra conta a história de um homem que vivia com a sua família numa floresta da Dinamarca. Numa noite de Natal, durante a ceia, quando todos estavam reunidos à volta da lareira, a comer e a contar histórias, comunicou-lhes que iria partir em peregrinação à Terra Santa, para orar onde Cristo tinha nascido e que, portanto, daquela noite a um ano, não estaria ali. Prometeu também que, dali a dois anos, estariam juntos de novo. Na Primavera seguinte partiu e, levado por bons ventos, chegou muito antes do Natal às costas da Palestina, onde visitou todos os locais sagrados relacionados com a vida de Jesus. Já de regresso à Dinamarca, uma tempestade violentíssima quase destruiu o barco em que viajava e ele teve que ficar em Itália. Aí conheceu várias cidades (Ravenna, Veneza, Florença, Génova) onde fez diversos amigos, como o Mercador de Veneza, que lhe contou a belíssima história de amor de Vanina e Guidobaldo, de Giotto e de Dante,... Após inúmeras *peripécias, consegue chegar à floresta em que vivia, mas uma tempestade quase lhe provoca a morte. No entanto, anjos acendem pequenas estrelas no abeto que ficava em frente à sua casa, guiando-o até ao calor do seu lar e de sua família...
Quando ele ia pela floresta, ele pensou que o gelo do rio estaria gelado e que poderia segui-lo até sua casa, mas não encontrou o rio... Ele foi andando sempre em frente sem destino e mais ao longe viu uma luz que se destacava pela sua grandeza... Esta, era a luz de sua casa. O cavaleiro não sabia disto, mas ainda assim resolveu ir atrás da luz, encontrando a sua casa. É por essa razão que se enfeitam os pinheiros no Natal e essa é a grande história do cavaleiro da Dinamarca.
Situar a acção no tempo:
Há muitos anos, há dezenas e centenas de anos...”

Situar a acção no espaço:
havia em certo lugar da Dinamarca, no extremo Norte do país, perto do mar, uma grande floresta de pinheiros, tílias, abetos e carvalhos. Nessa floresta morava com a sua família um Cavaleiro. Viviam numa casa construída numa clareira rodeada de bétulas. E em frente da porta da casa havia um grande pinheiro que era a árvore mais alta da floresta.” (2º parágrafo)

Nota a indefinição/imprecisão temporal e espacial: Há muitos anos, há dezenas e centenas de anos, havia em certo lugar...

No entanto, no que concerne ao espaço, regista-se uma gradação no sentido do geral para o particular. Assim temos:

Dinamarca → Norte do país → floresta → casa na clareira → em frente à porta – um Pinheiro.

É importante esta referência e relevância que é dada ao Pinheiro, pois esta árvore é um elemento fundamental na história do conto. Ele é-nos referido novamente no final da história e é graças a ele, como veremos, “farol de regresso”, que o Cavaleiro consegue chegar até sua casa.
Recorde-se que o pinheiro é considerado, entre os orientais, o símbolo da imortalidade. Talvez a presença e referência a este símbolo no início do conto constitua, precisamente, um prenúncio votivo de uma empresa bem sucedida por parte do Cavaleiro, até porque o espírito que lhe presidiu foi o seu sentimento religioso, a fé.

A noite de Natal em casa do Cavaleiro:
. juntava-se a família
. vinham amigos e parentes, criados da casa e servos da floresta
. em frente da lareira armava-se uma enorme mesa para todos
. comiam, riam e bebiam vinho quente e cerveja com mel
. narravam-se histórias:
- de lobos e ursos
- de gnomos e anões
- de Tristão e Isolda
- de Alf, rei da Dinamarca e de Sigurd
- dos reis Magos, dos pastores e dos Anjos

A acção principal, que é constituída pela viagem (ida e regresso) do Cavaleiro, irá levar pouco menos de dois anos e que o destino é a Palestina. Portanto a acção irá decorrer num espaço amplo e heterogéneo constituído pelo itinerário estabelecido pelo Cavaleiro desde a Dinamarca até à Palestina e vice-versa. Esta notícia da partida foi acolhida por todos com espanto, com tristeza e inquietação, mas ninguém, nem a mulher, apesar de naquele tempo as viagens serem longas, perigosas e difíceis, ousou dissuadir o Cavaleiro de partir, pois movia-o um sentimento nobre, o sentimento religioso, a sua fé.
Chegada a Primavera, o Cavaleiro deixou a sua floresta e dirigiu-se para a cidade mais próxima, que era um porto de mar. Nesse porto embarcou e chegou muito antes do Natal às costas da Palestina. Daí seguiu com outros peregrinos para Jerusalém.

As acções praticadas pelo Cavaleiro em Jerusalém:
- visitou um por um os lugares santos
- rezou no Monte Calvário e no Jardim das oliveiras
- lavou a sua cara nas águas do Jordão
- viu as águas azuis do lago de Tiberíade
- procurou, no testemunho mudo das pedras, o rasto de sangue e sofrimento de Jesus Cristo
- caminhou nos montes da Judeia

No dia de Natal, o Cavaleiro:
. dirigiu-se para a gruta de Belém
. rezou toda a noite:
- pelo fim das misérias e das guerras;
- pela paz e pela alegria do mundo
. julgou ouvir a oração dos anjos
. desceu sobre ele uma grande paz e confiança
. beijou as pedras da gruta
. pediu a Deus que o fizesse um homem de boa vontade
. pediu aos anjos que o protegessem e guiassem na viagem de regresso, para que, daí a um ano, pudesse celebrar o Natal com os seus
Passado o Natal, o Cavaleiro demorou-se ainda dois meses na Palestina, só partindo de Jerusalém para o Porto de Jafa em finais de Fevereiro. Foi nesta ocasião que travou grande amizade com um outro peregrino, um mercador de Veneza, em casa do qual se irá hospedar.
Inicia-se assim a sua viagem de regresso, mas, em Jafa, surge o primeiro dos contratempos, pois devido ao mau tempo só puderam embarcar em meados de Março. Curioso será então notar que foi em Março que iniciou a viagem com destino à Palestina e acaba por ser também em Março que se despede da Palestina e inicia a sua viagem de regresso à Dinamarca.
Já no mar surge um segundo contratempo, uma tempestade.

Caracterização da tempestade:
- O navio ora subia na crista da vaga ora recaía pesadamente estremecendo de ponta a
ponta.
-Os mastros e os cabos estalavam e gemiam.
- As ondas batiam com fúria no casco e varriam a popa.
- O navio ora virava todo para a esquerda, ora virava todo para a direita.
- Os marinheiros davam à bomba.
- O vento rasgava as velas em pedaços.
- Navegavam sem governo ao sabor do mar.

A violência da tempestade era tal que o Cavaleiro já pensava que não voltaria a ver a sua terra. Mas, passados cinco dias, a tempestade passou e, içando velas novas e com a brisa soprando a favor, conseguiram chegar, apesar do mau estado do barco, ao porto da cidade de Ravena, na costa do Adriático, nas terras de Itália.
A beleza de Ravena enchia de espanto o Cavaleiro.

Ravena:
- As belas igrejas
- As altas naves
- Os leves arcos
- As finas fileiras de colunas
- Os mosaicos multicolores com esguias figuras de rainhas e santos

Visto o navio não estar em condições para poder seguir viagem, o Mercador de Veneza convidou o Cavaleiro para seguir com ele até à sua cidade, pois se Ravena o espantava, Veneza, construída sobre as águas, deslumbrá-lo-ia ainda mais e, de lá, poderia seguir por terra para o porto de Génova donde partem constantemente navios para a Flandres e, assim, ficaria a conhecer as belas e ricas cidades do Norte da Itália.
A referência à opulência e prosperidade das cidades do Norte da Itália é um indicador do tempo cronológico da narrativa principal, pois sabemos que as cidades italianas foram palco de um grande desenvolvimento comercial, económico e cultural no século XV.
O Cavaleiro decidiu aceitar o convite do Mercador e seguiu com ele para Veneza.

Veneza:
- As ruas eram canais onde deslizavam estreitos barcos finos e escuros.
- Os palácios cresciam das águas que reflectiam os mármores, as pinturas, as colunas.
- Aérea e leve a cidade pousava sobre as águas verdes, ao longo da sua própria imagem.
- Vozes, risos, canções e sinos enchiam o ar da tarde.
- tanta riqueza e tanta beleza.

É neste espaço propício às histórias de encantar que surge a primeira das quatro narrativas de encaixe, a história de Vanina, uma história secundária, mas também ela encantadora, bem ao gosto romanesco.
Vanina, a rapariga mais bela de Veneza, era orfã de pai e mãe e estava sob a tutela de Jacob Orso. Este prometera-a em casamento a Arrigo. Como Vanina se recusara a casar com ele, por o achar velho e feio, o seu tutor, como castigo pela sua desobediência, mantinha-a enclausurada em casa, sempre vigiada pelas aias. Só à noite, quando todos dormiam, é que Vanina encontrava um pouco de liberdade e ia então para a varanda do quarto pentear os seus belos e perfumados cabelos.
Certo dia passou pelo canal, em frente à varanda onde Vanina se penteava, um belo e destemido navegador chamado Guidobaldo.
Vanina e Guidobaldo apaixonaram-se e, como Jacob Orso tivesse recusado a mão de Vanina a Guidobaldo e o ameaçasse de morte se ele não saísse da cidade, Guidobaldo partiu, mas levou com ele Vanina e nunca mais foram encontrados.

E foi assim que, em conversas, festas, ceias e passeios, se passou um mês e o Cavaleiro anunciou a sua intenção de prosseguir viagem, recusando o convite do Mercador para se associar aos seus negócios e estabelecer a sua vida em Veneza.
Passados três dias, partiu em direcção a Génova com cartas de apresentação para ser recebido pelos homens mais nobres das cidades do Norte da Itália. Estava-se em Abril. Aconselhado pelo Mercador, decidiu no entanto fazer, a meio da viagem para Génova, um desvio para conhecer a célebre cidade de Florença. Passou por Ferrara, Bolonha e, no princípio de Maio, chegou a Florença.
Florença, com os seus telhados vermelhos, as suas torres, as suas cúpulas, os seus campanários, as igrejas de mármore preto e branco, as muitas estátuas, espantou o Cavaleiro, tal como o havia espantado a beleza de Veneza.
Em Florença, o Cavaleiro, com a carta de apresentação que lhe dera o Mercador de Veneza, procurou a casa do banqueiro Averardo e aí ficou hospedado.

Florença em casa do banqueiro Averardo:
- discutiam os movimentos do Sol10 e da luz
- discutiam os mistérios do céu e da Terra
- falavam de Matemática, de Astronomia, de Filosofia
- falavam de estátuas antigas
- falavam de pinturas acabadas de pintar
- falavam do passado, do presente e do futuro
- falavam de poesia, de música e de arquitectura.

Em suma: Parecia que toda a sabedoria da Terra estava reunida naquela sala.

Ora, foi precisamente numa dessas ocasiões, em que o teor da conversa era a obra de Giotto, que o Cavaleiro, não sabendo de quem se tratava, com uma simples pergunta: - Quem é Giotto? – dá origem ao aparecimento da segunda história encaixada, cujo narrador é Filippo.
É extremamente importante a reposta que Filippo dá a esta pergunta pela referência temporal que é feita, pois quando Filippo diz que Giotto é um pintor do século passado, permite-nos tirar ilações quanto ao tempo cronológico em que se desenrola a história do Cavaleiro.
Com efeito, Giotto foi um pintor italiano nascido em 1266 ou 1267, e falecido em 1337. Assim sendo, ficamos a saber que a história da viagem do Cavaleiro decorre no século XV.

No final desta história encaixada, faz-se referência a uma outra figura - Dante: Giotto tornou-se assim o pintor mais célebre daquele tempo. E Dante, que ele retratou e que foi seu amigo fala dele no seu poema. O desconhecimento desta figura por parte do Cavaleiro suscita por parte deste uma nova pergunta: - Quem era Dante?- que vai introduzir, assim, uma terceira história encaixada, a partir do momento em que Filippo satisfaz, mais uma vez, a curiosidade do Cavaleiro. Com efeito, a breve apresentação de
Dante, feita por Filippo: Dante foi o maior poeta da Itália, um poeta que conhecia os segredos deste mundo e do outro, pois viu vivo aquilo que nós só veremos depois de mortos, foi de tal forma surpreendente que o Cavaleiro não resistiu a pedir que lhe contasse essa história tão extraordinária e surge, assim, a terceira história encaixada narrada por Filippo e cujo protagonista é Dante.

Dante, apenas com nove anos, apaixonou-se por Beatriz que tinha oito anos e que era a criança mais bela de Florença. Mas Beatriz morreu em plena juventude e  Dante, não conseguindo superar o desgosto, entregou-se a uma vida de loucuras e erros, até que no ano de 1300, numa sexta-feira Santa se encontrou perdido numa floresta escura e selvagem onde lhe apareceram um leopardo, um leão e uma loba.
Nota que estes elementos têm um valor simbólico. Assim, a selva escura representa os erros e desvios da condição humana. Podemos então concluir que esta selva escura em que Dante se encontrou foi precisamente o cair em si, o tomar consciência da vida desregrada que vinha vivendo. As três feras que aparecem a Dante correspondem a outras tantas disposições pecaminosas. O leopardo é interpretado como um símbolo da luxúria, o leão como um símbolo da soberba, e a loba como um símbolo da avareza. Correspondiam às três grandes divisões do Inferno, isto é, às três disposições que o céu não queria e das quais se entendia derivarem todos os pecados.
Valeu a Dante a sombra de Virgílio que fora enviada por Beatriz para conduzir Dante até ela. Primeiro passaram a porta do Inferno sobre a qual se encontra a inscrição: Vós que entrais deixai toda a esperança. Depois atravessaram os nove círculos onde se encontram os condenados. Aqui viram:

Nove círculos:
- viram os que estão cobertos por chuvas de lama
- viram os que são eternamente arrastados em tempestades de vento
- viram os que moram dentro do fogo
- viram os traidores presos em lagosde gelo

Inferno:
- Por toda a parte reinava a escuridão como numa mina.
- Por toda a parte se erguiam monstros e demónios
- Era um reino subterrâneo, sem sol, sem lua e sem estrelas, iluminado apenas pelas chamas infernais

Finda a visita ao Inferno, voltaram à luz do sol e chegaram ao Purgatório, descrito como um monte no meio de uma ilha subindo para o céu.
Aqui encontram-se as almas que, através de preces e penitências, aguardam o perdão e a admissão ao Paraíso.
Por fim chegaram ao cimo do monte do Purgatório onde fica o Paraíso Terrestre e foi aí que se deu o reencontro de Dante com Beatriz. Então esta explicou-lhe que o objectivo de o levar a fazer aquela viagem foi para que ele tivesse consciência do quanto sofrem os injustos e pecaminosos e se emendasse, para que fosse digno da felicidade e alegria que reina no céu. Pediu-lhe ainda que, ao voltar à terra, escrevesse um livro onde contasse tudo o que viu, de modo a ensinar os homens a detestarem o mal e a desejarem o bem. Dante assim fez e esse livro é A Divina Comédia.
Terminada a narração desta viagem de Dante através do reino dos mortos, o Cavaleiro confessa ter sido a história mais extraordinária que já alguma vez ouviu.
O fascínio do Cavaleiro por tudo o que ouvia naquela casa era tal que resolveu demorar-se aí mais algum tempo. Assim:
- percorria as ruas e as praças
- visitava os conventos, os palácios, as bibliotecas e as igrejas
- ouvia as sábias conversas dos amigos de Averardo

Mas nem todo este espanto e entusiasmo por Florença, nem mesmo o convite que o banqueiro Averardo fez ao Cavaleiro para se estabelecer em Florença e associar-se aos seus negócios, o demoveram de cumprir a promessa feita à família: - Quero passar com eles o próximo Natal como lhes prometi. Dentro de três dias terei de partir. E assim foi, tendo-lhe sido dada uma carta de recomendação para um rico comerciante da Flandres, amigo do banqueiro Averardo.
Dirigia-se então para Génova o Cavaleiro, para embarcar no porto num dos navios que, no princípio do Verão, sobem de Itália para Antuérpia. Mas outro imprevisto acontece ao Cavaleiro: adoece, devido talvez ao sol escaldante ou à água não potável que bebera pelo caminho e vê-se obrigado a pedir guarida num convento. Aí, foi
acolhido e tratado pelos frades com chás de raízes de flores, com pílulas de aloés, com xaropes de mel e vinho quente, com pós misteriosos e emplastros de farinhas e ervas.
A estada do Cavaleiro no convento foi de dois meses e meio, pois, apesar de a febre ter baixado passado um mês e meio, o seu estado de debilidade não lhe permitia continuar viagem, tendo de ficar mais um mês a recuperar as suas forças.
Restabelecido, continuou a sua viagem para Génova, mas, quando lá chegou, era já final de Setembro e todos os navios com destino à Flandres haviam já partido. É então que o Cavaleiro, fiel à sua promessa feita à família, resolve continuar a viagem por terra, a cavalo, até Bruges. Parava apenas o necessário para comer e dormir, pois como era um homem de palavra, queria chegar antes do Natal à sua terra. Chegado à Flandres, onde caíam já os primeiros flocos de neve e fazia já um frio de Inverno, o Cavaleiro dirigiu-se para Antuérpia, onde procurou o negociante flamengo para quem o banqueiro Averardo lhe dera uma carta de recomendação.

Em Antuérpia é bem recebido pelo Flamengo e, à semelhança do que lhe aconteceu em Veneza e Florença, o Cavaleiro vai também aqui espantar-se e deleitar-se com alguns aspectos. Um desses aspectos é o paladar diferente da comida, é que esta estava temperada com especiarias desconhecidas para o Cavaleiro. Isto levou o Flamengo a afirmar que o Cavaleiro conhecia mal o mundo novo. O Cavaleiro, para lhe provar o contrário, narra-lhe então a história da sua viagem até chegar ali e, embora o Flamengo reconheça que é uma bela história, disse-lhe que não tardaria a chegar alguém que lhe iria contar histórias muito mais espantosas. Mal o Flamengo acabara de dizer isto, chegou um dos capitães dos seus navios que havia regressado de uma viagem e trazia com ele três cofres: um cheio de pequenas pérolas, outro cheio de ouro, e o terceiro cheio de pimenta. Também isto deixou o Cavaleiro espantado e curioso, a ponto de pedir ao capitão que lhe falasse das suas viagens.
Passamos então, a partir daqui, a ter o capitão dos navios como narrador das viagens marítimas por ele protagonizadas, estamos, portanto, na presença de um narrador participante. Deu-lhe então a conhecer que viajara por todos os portos da Europa, desde o mar Báltico até ao Mediterrâneo, embora navegasse sobretudo entre os
portos da Flandres e da Península Ibérica. Mereceu, no entanto, destaque a narração de uma história em que, com o desejo de ir mais longe do que o habitual, resolveu alistar-se nas expedições portuguesas que navegam para o Sul à procura de novos países. Este dado é também importante, pois sabemos que o período áureo dos descobrimentos portugueses é o século XV, o que aliás vem corroborar a ilação tirada relativamente ao tempo cronológico da narrativa principal, através da história de Cimabue e Giotto e também através da de Dante.
Essa história é a que se inicia em Lisboa e que tem como objectivo explorar as costas de África. As páginas que se seguem são um testemunho histórico, descrevem-nos as belas praias da costa africana bem como os seus habitantes e revelam-nos as tentativas de entendimento entre ambas as partes, dificultadas pelo facto de a língua não ser comum. Ora, é precisamente numa dessas tentativas que surge a história do incidente ocorrido com o português Pêro Dias e que constitui a última das narrativas de encaixe existentes nesta obra.
Assim um dia a caravela ancorou em frente duma larga e bela baía rodeada de maravilhosos arvoredos. Na longa praia de areia branca e fina um pequeno grupo de negros espreitava o navio. Então o capitão resolveu mandar a terra dois batéis com homens para que tentassem estabelecer contacto com os africanos.
É assim que se inicia a história encaixada de Pêro Dias, primeiro com uma pequena descrição do local de desembarque e depois com a apresentação do objectivo do capitão: estabelecer contacto com os africanos.
Seguidamente é-nos apresentada a personagem que vai protagonizar esta narrativa de encaixe: Pêro Dias.
Mas logo que os batéis tocaram a areia os negros fugiram e desapareceram no arvoredo.
-Talvez tenham tido medo por ver que nós somos muitos e eles poucos – disse um português chamado Pêro Dias. E pediu aos seus companheiros que lhe deixassem um batel e embarcassem todos no outro e se afastassem da praia.
De seguida narram-se as tentativas de Pêro Dias para estabelecer contacto com um indígena: primeiro através da oferta de panos coloridos, depois através da linguagem verbal, e por fim através da linguagem gestual. Mas, quando tudo parecia estar a correr como Pêro Dias pretendia, restando já apenas alguns passos de distância entre ele e o indígena, um gesto inofensivo da sua parte assustou o indígena que começou a fugir e que, ao ver-se perseguido e agarrado por Pêro Dias e julgando-se perdido, apontou a sua lança, tendo Pêro Dias procurado aparar o golpe com a sua espada. O resultado foi a morte de ambos, sendo a causa o desentendimento das línguas, a incapacidade de manter um diálogo.
 Quando os companheiros de Pêro Dias chegaram à praia, disse um deles: - Olhem, o sangue deles é exactamente da mesma cor. Os companheiros de Pêro Dias espetaram entre os dois túmulos, o de Pêro Dias e o do gentio, uma cruz feita com a lança do gentio e a espada do cristão, como símbolo da paz e união entre as duas raças.
Estas histórias de longínquas viagens, de ilhas desertas, de árvores descomunais, de tempestades e calmarias, de povos misteriosos de pele sombria fascinavam o Cavaleiro, mas era já Novembro e ele anunciou a sua pretensão de seguir viagem por mar para a Dinamarca. Mas nesta época, com o frio a aumentar de dia para dia, o Cavaleiro já não encontrou nenhum navio que se aventurasse a navegar para o Norte. Mas nem isto, nem o convite do flamengo para se associar a ele e empreender fabulosas viagens que o enriqueceriam, o demoveram de procurar cumprir a promessa feita à família: passar o Natal em casa; por isso decidiu fazer a viagem por terra, apesar dos riscos que iria correr. Foi, com efeito, uma viagem dura:

Viagem da flandres à Dinamarca:
- os rios estavam gelados
- a terra coberta de neve
- o frio aumentava
- os dias eram cada vez mais curtos
- os caminhos pareciam não ter fim

E à noite, quando repousava nas estalagens, o Cavaleiro sonhava com os palácios de Veneza, com as estátuas de Florença e os negros nus da costa africana. Mas isto, que outrora o fascinara tanto, surgia agora como um pesadelo que, girando à sua volta, o impedia de continuar viagem. Talvez isto não passasse da sua própria consciência a sentir-se culpada por se ter demorado tanto, deleitado com o que via e ouvia.
Mas, apesar de lhe parecer que todas as forças da Natureza se tinham conjugado para o impedir de cumprir a sua promessa, ele, homem de fé e de palavra, recobrava o ânimo e prosseguia a sua viagem. E assim foi, até que, passadas longas semanas, na antevéspera do Natal, ao fim da tarde, chegou a uma pequena povoação que ficava a poucos quilómetros da sua floresta. Aí recuperou as suas forças e, na madrugada de 24 de Dezembro, partiu, pois tinha de chegar a casa antes da meia -noite e o dia era curto e a travessia da floresta difícil, pois estava coberta de neve. Penetra então na floresta, onde irão decorrer as últimas peripécias da viagem do Cavaleiro. Após dois anos de ausência, esta parecia -lhe fantástica e estranha.

Descrição da floresta:
- tudo estava imóvel, mudo, suspenso
- o silêncio e a solidão pareciam assustadores e desmentidos
- as árvores estavam despidas
- os ramos nus desenhavam-se negros, esbranquiçados, avermelhados
- só os pinheiros cobertos de agulhas continuavam verdes

Assim, apesar de a neve ter apagado todos os rastos, todos os carreiros, e de a floresta constituir um autêntico labirinto de arvoredo, o Cavaleiro prosseguiu, procurando chegar, ainda com dia, a uma pequena aldeia de lenhadores que ficava perto do rio que passava junto de sua casa. Depois bastaria seguir o curso do rio. E, caminhando em direcção ao nascente, acabou por chegar à aldeia de lenhadores. Aí foi recebido com entusiasmo e alegria, recobrou as suas forças e partiu nessa mesma noite, apesar dos avisos dos lenhadores de que seria perigoso. É que, agora, que estava tão perto, não queria faltar ao prometido à família, pois iria estragar-lhes o Natal, já que pensariam que alguma coisa má lhe teria acontecido.
Procurou então seguir o curso do rio, mas a neve caía espessa e cerrada e o Cavaleiro não conseguia ver nada. Pensou que talvez se tivesse enganado, mudou de direcção, mas o homem e o rio não se encontravam. Acabou por se confessar perdido, mas, mesmo assim, não perdeu a sua esperança, nem mesmo quando lhe surgiu uma alcateia ou até mesmo um urso, pois em ambas as ocasiões, arreigado à sua fé disse: - Hoje é noite de trégua, noite de Natal, e, com efeito, como que pormilagre, as feras recuavam ao ouvir estas palavras e desapareciam. E o Cavaleiro continuava a caminhar ao acaso, levado por pura esperança, pois nada via e nada ouvia. E quando o cavalo já se recusava a continuar, o Cavaleiro lembrou-se da Noite de Natal que passara em Jerusalém e dos reis Magos que tinham lido no céu o seu caminho. No entanto, o céu ali era escuro, mas, mesmo assim o Cavaleiro rezou e, milagrosamente, uma claridade começou a surgir do meio da massa escura do arvoredo. O Cavaleiro, feliz pela sua reza ter sido ouvida, avançou em direcção a essa luz que julgava ser a de uma fogueira de algum lenhador perdido. Mas a luz continuava a crescer e à medida que crescia, subindo do chão para o céu, ia tomando a forma dum cone. E quando chegou diante da claridade, o Cavaleiro viu que estava na clareira de bétulas onde ficava a sua casa e que aquela fogueira era o grande abeto que ficava junto dela e que estava coberto de luzes. Luzes que só poderiam ter sido lá colocadas pelos anjos do Natal para guiar o Cavaleiro.

E assim termina a saga do Cavaleiro. E diz-se que foi graças a esta história que surgiu o hábito de se enfeitarem os pinheiros na noite de Natal, para guiarem todos aqueles que se encontram perdidos.